Retirada de chupeta e mamadeira - Dra Lucia Helena F. Rosa
Home / Desenvolvimento Infantil / Retirada de Chupeta e mamadeira

Retirada de Chupeta e mamadeira

Retirada de Chupeta e mamadeira

Por: Dra Lúcia Helena F. Rosa - Fonoaudióloga

Ser pai e mãe e tomar decisões sobre um outro ser, o filho, NUNCA é fácil. Influências vem da nossa própria criação, da mídia, do pediatra, dos familiares que adoram “ensinar” como ser pai/mãe, dos profissionais da escola/berçário, do vizinho, porteiro e etc!

Claro que muitas dicas e orientações são elucidativas, mas no dia a dia, os degraus a serem subidos são dos pais. Para decidir sobre o que fazer ou não e quando fazer com os filhos, se precisa de informação fundamentada.

Neste sentido, resumo aqui minha experiência de mais de 15 anos ajudando familiares na retirada de chupeta e mamadeira.

Sempre me perguntam até que idade se pode oferecer chupeta e ofertar o leite na mamadeira sem afetar o desenvolvimento da criança, sem ser prejudicial. Na literatura encontramos: 3 anos, 2 anos, 1 ano e ½, 1 ano e outros ainda sendo totalmente contra a utilização destes objetos.

Os filhos são “feitos” de 50% de cada um dos pais… e se na genética de algum deles, ou dos dois, existir tendência de alterações no crescimento e desenvolvimento das arcadas dentárias, formação dentária, alteração muscular, problemas respiratórios? Só citando alguns! Essa mistura influencia também nas consequências do uso destes objetos, além da duração e intensidade do uso.

Minhas recomendações independentemente da idade da criança para retirada de chupeta e mamadeira são:

  • Os pais estão de acordo com esta mudança? Já avisaram a todas as pessoas que ficam com o filho que vão iniciar o processo e que precisam se comprometer a ajudar, seguindo as orientações dos pais? Isso é muito importante para que não haja “sabotagem” ao processo, levando sim a confusão por parte da criança. É preferível deixar a chupeta e mamadeira do que ter informações antagônicas sendo passadas para a criança. Isso abre uma grande oportunidade de a criança tentar negociação, e se apegar muito mais ao objeto.
  • Está próxima alguma mudança significativa na vida da criança, ex: chegada de algum irmão, mudança de casa, retirada de fralda? Se a resposta for sim, repense a possibilidade. Criança também se sente insegura, ansiosa como nós quando passamos por mudanças. O ideal é fazer uma mudança por vez com intervalo de aproximadamente um mês entre eles. No caso da vinda de irmão/ã; sempre oriento que se tente fazer a passagem antes do nascimento deste, respeitando ao menos este um mês que descrevi. Se não for possível, espere o nascimento do irmão mesmo e em momento mais oportuno, aí´ se inicia o processo.
  • Se pergunte: “Ao que a criança é menos apegada?” Comece com este objeto. Nem sempre a retirada de chupeta e mamadeira é mais fácil do que a chupeta, depende da criança!
  • As vezes a criança ainda persiste com o uso porque sempre é oferecido o leite na mamadeira. Muitas vezes a família esquece de oferecer em copo de canudo ou antivazamento ou ainda sempre se coloca a chupeta amarrada na roupa ou ainda na boca da criança sem esta pedir. Na verdade, a família não percebeu que conforme a criança vai crescendo, mudanças na oferta destes objetos podem ser modificados também.
  • Crianças maiores tendem a fazer “greve” de leite quando a mamadeira é trocada. Ou seja: reduz drasticamente ou ainda para de tomar o leite, deixando os pais muito preocupados, independentemente se a criança come bem ou não. Para não correr este risco, sugiro que se faça esta passagem por volta do primeiro ano de vida, assim se evita ou minimiza esta possibilidade. Muitos tomam tudo no copo, mas o leite se mantém na mamadeira, favorecendo a “greve”.
  • Leite é liquido como água! Não se esqueçam!
  • Um fator que retarda a troca da mamadeira é que normalmente ela é oferecida de manhã, com a criança no processo de acordar, ou ainda antes de dormir, geralmente já sonolenta. Comumente no colo, berço ou cama, fazendo este um momento de “chamego” entre quem oferece e a criança. Copo antivazamento também pode ser ofertado sem prejudicar o momento de aconchego….

Aliás, não se deve oferecer líquidos com a criança deitada para não favorecer dores de ouvido! Retirada de chupeta e mamadeira.

retirada de chupeta e mamadeira quando fazer

  • Sempre converse com o pediatra/nutricionista sobre a quantidade ofertada de leite. É comum a oferta muito maior deste alimento do que ele realmente deveria ser oferecido.
  • Recomendo que faça a troca por etapas, água, suco no copo e depois o leite. Há pessoas que trocam de uma vez só. Não sou contra nem a favor, tem crianças que não se importam e outras que sofrem com a passagem. Para mim, a troca paulatina oferece maior aceitação por parte da criança e conforto emocional aos pais e a ela.
  • Pode vincular a uma data. Imagine que em 1 mês haverá um passeio, uma viagem, aniversário, páscoa e natal. Não importa a data em si. Faça um calendário com a quantidade de dias até o evento e todos os dias, a criança com os pais vai preenchendo com adesivos, pintando, fazendo qualquer atividade no quadradinho do dia, sabendo que ao final de todos os quadradinhos, haverá o evento X e que no dia seguinte dele, não usará mais mamadeira. Normalmente a criança inicia o processo dizendo que não quer trocar a mamadeira, mas a família tem que incentivar com imaginação o processo, reforçando que vai ser muito bom. Já vi criança deixar mamadeira e chupeta “pagando” pela festa de aniversário, dando para aeromoça, levando em loja e trazendo um outro brinquedo… Use a imaginação! Pode colocar a “fada” que vai fazer a “mágica” que vai transformar o objeto em algo. Nem sempre este “algo” é brinquedo, pode ser figurinha, passeio… tudo depende do interesse da criança! Ela dá dicas durante este processo, observe! Este método funciona para as crianças maiores!
  • As vezes a criança passa dois, três dias bem e em seguida tem uma crise de choro pedindo o objeto. Ajude-a lembrando de todo o processo. Não ceda!!! Se a criança e a família trabalharam bem durante o processo do calendário, raramente vai ocorrer este tipo de situação.
  • Para a chupeta, o mesmo processo do calendário pode ser feito, mas antes deste, comece retirando a chupeta quando a criança adormece, restringindo cada vez mais o uso, até ficar apenas para dormir. Vá aos poucos se desfazendo das chupetas se existirem muitas espalhadas pelos locais onde a criança fica. Confisque as da casa da tia, avó… etc. Não substitua! Se você realmente quer tirar, não invista mais em novas, aliás, jogue fora as novas, mantendo as mais usadas que vão durar menos. Não descuide da higienização nunca!
  • Seja paciente. É importante lembrar que seu filho é uma criança, que está se adaptando ao mundo e a uma série de novos estímulos que lhe são muito complexos e difíceis. Retirar objetos sobre os quais ele tem grande apego e carinho pode incomodá-lo sim e vai te pedir esforços importantes até que ele consiga abandoná-los de vez. Você precisa esperar o seu tempo, ainda que imponha limites necessários à medida que ele cresce;
  • Compreenda que é mais do que esperado que com essas novas imposições e com essas transformações na rotina o seu filho fique mais manhoso, chorão, reclamão e não tenha a mesma disposição que tinha antes para as atividades que já fazia. Em muitos casos eles apresentam regressões significativas, que tem mais a ver com o fato de estarem insatisfeitos com o que está sendo imposto do que com um aprendizado que se perdeu;
  • Lembre-se sempre que você é o adulto e não o contrário. Em fases de mudança você verá seu filho ou filha muito mais suscetível e de muito mais má vontade para tudo que você propuser, mas não adianta pensar que ele quer te manipular ou que ele quer te ganhar da forma dele, que ele tem a intenção de te dobrar. O mais provável é que ele esteja sofrendo para se adaptar, e como você é o adulto precisa transmitir a ele calma e paz, mostrando que vai passar e que vocês podem sim superar isso juntos, como já superaram outras etapas;
  • Saiba recompensá-lo pelos seus avanços quando falamos de retirada de chupeta e mamadeira. Mostre o quanto ele está indo bem quando está abrindo mão de certos objetos e dê a ele algo que ele gostaria muito. Não é uma questão de você comprar a criança, mas de mostrar a ela que avançar não significa necessariamente perder, e que ele pode sim ganhar muita coisa, se aceitar que o tempo vem e com ele transformações vão naturalmente ocorrer;
  • Não grite, brigue ou bata. É difícil não fazer isso quando sentimos que a criança não está colaborando e que está tornando tudo muito mais difícil do que precisava ser, mas ela está vivendo um processo complicado, e em muitos casos até traumático. É necessário ver o lado dela também e ter compaixão;
  • Nenhuma criança é igual. Até mesmo os filhos dos mesmos pais vão ter tempos e necessidades diferentes, no que tange o abandono de objetos. É necessário compreender isso e parar de comparar, porque comparando você está fazendo muito mais mal do que bem para a sua criança;
  • Ao contrário do que muita gente pensa a criança é capaz sim de entender o que você fala, por menor que ela seja. Com diálogo, carinho e amor ela vai conseguir compreender o seu ponto e vai ser mais favorável ao que você estiver oferecendo. Às vezes tudo que ela quer é ser ouvida, e uma forma de ouvi-la e entender as suas angústias e medos é se abrir para dialogar;
  • Perceba o seu filho ou filha. Esteja atento ao que ele demonstra a você, a como ele se comporta, ao seu humor e aos seus sinais. É necessário estar ainda mais atento a isso em momentos de transformação considerável, como já comentamos em outros momentos, e esses que estamos falando aqui se enquadram nessa ideia.

Tenha isso em mente sempre, porque uma vez que você não se atenta às questões sobre retirada de chupeta e mamadeira que seu filho está apresentando, às suas demandas, aos seus medos e necessidades a tendência é que esses processos de mudança acabem se perdendo e não dão tão certo quanto poderiam dar de fato.

Retirada de chupeta e mamadeira - Dra Lúcia Helena F. Rosa - Fonoaudiologa na Vila mascote

 

Dra Lucia Helena F. Rosa

Fonoaudióloga

Fone: (11) 98225-9419

Vila Mascote – São Paulo /SP

Leia também…

Apraxia da fala , quando devo me preocupar

Acompanhe-nos no facebook / instagram

Check Also

crescimento e desenvolvimento infantil

Crescimento e desenvolvimento infantil

O crescimento e desenvolvimento infantil é um processo bem demorado, mas emocionante de ser acompanhado …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *