Home / cuidados especiais / Timidez na infância
timidez na infância

Timidez na infância

Timidez na infância

Saiba mais sobre a timidez na infância, aprendendo a lidar com essa situação na vida de seus filhos e a ajustá-la.

Embora a timidez na infância seja comum, ela diz respeito a muitos responsáveis, especialmente aqueles que dão grande valor à sociabilidade.

Algumas crianças tornam-se tímidas devido a experiências de vida difíceis, mas a maioria delas nasce assim. Para algumas crianças, situações e interações sociais podem ser assustadoras.

Quando entram em contato com novas crianças, as crianças tímidas raramente se sentem à vontade. Normalmente, elas não estão dispostas ou são incapazes de fazer o primeiro movimento, preferindo abandonar uma amizade em potencial ao invés de estender a mão para o desconhecido.

Algumas dessas crianças tímidas podem estar emocionalmente aflitas, mas são minoria. De fato, algumas crianças são naturalmente retraídas e lentas para se acostumarem a novas situações.

Ajuste da timidez na infância

A maioria das crianças tímidas se dá bem nos relacionamentos e nos ambientes sociais, depois de passar por um período inicial de adaptação.

As crianças que têm dificuldade em estabelecer e manter relacionamentos mesmo após o período de adaptação de uma situação, merecem mais atenção.

  • Eventualmente, muitas (e talvez a maioria) das crianças que são tímidas aprendem a conquistar seu próprio espaço.
  • Elas funcionam de maneiras que não são obviamente tímidas ou reticentes, embora por dentro elas ainda possam sentir-se tímidas.
  • Os responsáveis podem guiar ou orientar seus filhos em situações sociais nas quais possam aprender a interagir com sucesso.

Lidando com a timidez na infância

Em alguns casos, a timidez na infância pode ser desativada. Crianças extremamente tímidas muitas vezes não se adaptam tão bem quanto a maioria de seus colegas na sala de aula e durante as brincadeiras.

– Quanto mais tempo esse padrão existir, mais difícil será para as crianças mudarem.

– A timidez pode, cada vez mais, levar a um afastamento proposital dos contextos sociais e à sua retirada que, em última instância, cria uma incapacidade da criança de funcionar efetivamente e futuramente como um adulto social.

– Se a timidez de seu filho se torna debilitante, ela pode ser causada por um transtorno de ansiedade ou um padrão de temperamento e, então, uma avaliação por um profissional de saúde mental infantil será útil.

Crianças rejeitadas

A maioria das crianças quer ser amada, mas algumas são lentas em entender que nem todo amor é demonstrado da mesma maneira, o que pode afetar nelas a compreensão de como fazer amigos.

Outras podem ansiar por companhia, mas podem ser excluídas de um grupo ou outro, talvez por causa da maneira como se vestem, higiene pessoal inadequada, obesidade ou mesmo um problema de fala.

As crianças que são frequentemente rejeitados pelos colegas se exibem comportamento destrutivo ou agressivo. Ainda outras crianças podem pairar à margem de uma panelinha ou outra, mas nunca são notadas. Essas crianças negligenciadas passam a maior parte do tempo sozinhas.

Os jovens rejeitados são abertamente detestados pelos colegas e são constantemente incomodados. Eles costumam ser agressivos ou perturbadores e muito sensíveis à provocação. Eles podem ser valentões e violadores de regras, ou podem estar tão inseguros de si mesmos que convidam a rejeição de outros. Eles também podem ser rejeitados por causa de seu comportamento impulsivo e perturbador. Alguns deles podem ter déficits de atenção ou hiperatividade.

Nesse caso, a busca por ajuda profissional é essencial, bem como o apoio, pois se torna um sintoma e uma consequência da timidez na infância que pode culminar em qualquer uma das situações descritas.

Crianças negligenciadas

timidez na infância

As crianças negligenciadas, por outro lado, não são abertamente rejeitadas e provocadas, mas são frequentemente ignoradas, esquecidas, não convidadas para festas e são as últimas escolhidas para uma equipe.

– Esses jovens podem ser vistos como solitários, mas podem ser passivos e detestar seu isolamento. Outros podem realmente preferir ficarem sozinhos.

  • Este último grupo pode ser respeitado e admirado por outros, mas simplesmente se sente mais confortável em atividades solitárias ou em passar tempo com os responsáveis, irmãos, outros adultos ou mesmo animais de estimação.
  • Eles também podem não ter as habilidades sociais e a autoconfiança necessárias para entrar em arenas sociais, muitas vezes por causa de experiências sociais limitadas.
  • Ou, também, podem ser mais tímidos, quietos e reservados do que a maioria de seus pares.

Como os responsáveis podem ajudar

Interações fraternais bem sucedidas exigem uma variedade de habilidades e formas especiais de interação.

Os responsáveis devem procurar essas habilidades em seus filhos e ajudar a desenvolvê-los e modelá-los:

  • Saber lidar com o fracasso e a frustração;
  • Saber lidar com sucesso;
  • Saber lidar com mudanças e transições;
  • Saber lidar com rejeição e provocação;
  • Gerenciar a raiva;
  • Usar o humor;
  • Perdoar;
  • Pedir desculpas;
  • Recusar-se a aceitar um desafio;
  • Pensar em coisas divertidas para fazer;
  • Expressar afeição;
  • Evitar situações perigosas;
  • Defender-se;
  • Confortar alguém;
  • Compartilhar;
  • Fazer pedidos;
  • Oferecer um elogio;
  • Expressar apreciação;
  • Saber lidar com a perda;
  • Fazer favores;
  • Pedir ajuda e ajudar aos outros;
  • Manter segredos.

Com as dicas e orientações acima, lidar com a timidez na infância se tornará muito mais simples e não acarretará em consequências negativas!

Acompanhe-nos no facebook

Leia Também…

Hormônio do Crescimento – Bebês e Crianças

Apraxia da fala

Pais superprotetores

 

Veja Também

A verdade sobre chupar dedo e chupeta

A verdade sobre chupar dedo e chupeta! Muitas mamães, principalmente as de primeira viagem, têm …

2 Comentários

  1. Adorei esta postagem! Tema incrível e muito bem escrito!

Deixe uma resposta